Home 07/11/2018 - 18:00 - Philipe Bastos / Governo do Tocantins

Estudantes e professores do Colégio Estadual Campos Brasil vão às ruas contra o trabalho escravo

A passeata foi realizada nesta quarta-feira e reuniu alunos e professores A passeata foi realizada nesta quarta-feira e reuniu alunos e professores - Divulgação / Governo do Tocantins
A iniciativa tem como objetivo conscientizar a população sobre o trabalho escravo A iniciativa tem como objetivo conscientizar a população sobre o trabalho escravo - Divulgação / Governo do Tocantins
O momento foi a culminância das ações do programa Escravo, nem pensar! na escola O momento foi a culminância das ações do programa Escravo, nem pensar! na escola - Divulgação / Governo do Tocantins
As ações envolveram aulas, palestras e documentários sobre situações degradantes de trabalho As ações envolveram aulas, palestras e documentários sobre situações degradantes de trabalho - Divulgação / Governo do Tocantins

Estudantes do Colégio Estadual Campos Brasil, de Araguaína, realizaram nesta quarta-feira, 7, uma passeata pelas ruas no entorno da unidade escolar. O momento marcou o encerramento das ações do programa Escravo, nem pensar!, implementado na rede estadual de ensino por meio da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) e contou com a presença de todos os alunos e professores da escola.

Ao todo, cerca de 1.300 alunos foram diretamente impactados pelas ações do programa no Colégio Campos Brasil. Na unidade de ensino foram realizadas aulas específicas, seminários, palestras, além da produção de documentários, de gráficos e de tabelas com dados oriundos de pesquisas realizadas pelos alunos e professores.

Durante a passeata, os estudantes foram caracterizados e levaram cartazes e faixas contra o trabalho escravo, na perspectiva de evitar que sejam vítimas deste tipo crime, além de serem capazes de identificar situações análogas ao trabalho escravo.

“É um alerta a nós, jovens, e aos trabalhadores rurais que saem de seu lugar de origem para trabalhar em fazendas ou em outras atividades econômicas, em situação degradante ou análoga à escravidão. As atividades desenvolvidas mostram a realidade de muitos trabalhadores do Brasil que não recebem seus direitos, mesmo que tenham ultrapassado sua carga-horária de trabalho”, pontuou o estudante Maycon Seixas.

Davi Bezerra estuda na 3ª série do ensino médio e destacou que, por meio das atividades desenvolvidas na escola, passou a ter mais conhecimento sobre condições degradantes de trabalho, ou situações análogas à escravidão. “Com as informações adquiridas pelo projeto seremos multiplicadores na nossa comunidade, identificando as características do trabalho escravo contemporâneo. Então, foi de grande importância as informações adquiridas pelo Escravo, nem pensar!”, completou.

A diretora da escola, Eliane Oliveira, avaliou como positivas as ações desenvolvidas pelo programa no Colégio Estadual Campos Brasil e destacou que pretende manter as ações na escola no ano que vem. “Continuaremos com este projeto em 2019, devido a sua relevância junto aos alunos", pontuou.

Escravo, nem pensar!

O Escravo, nem pensar! é o primeiro programa nacional de prevenção ao trabalho escravo. Em todo o Brasil, O Escravo, nem pensar! já atingiu mais de 250 municípios de 10 estados das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sul. Mais de 700 mil pessoas foram beneficiadas com os projetos que compõem o programa.